Edifício Dsenho

Local: Curitiba, PR
Status: em construção
Projeto: 2017-2018
Interiores: Leandro Garcia
Imagens: Thiago Augustus


O projeto é fruto de um trabalho extenso de experimentação. Vários estudos foram descartados até concluir-se que a solução adotada traz a melhor relação com o contexto urbano em que está inserido.

Trata-se de um edifício de apartamentos localizado no alto de um dos bairros mais valorizados e agradáveis de Curitiba. Um lote de esquina, com formato irregular, resultante de uma rua que corta o traçado ortogonal da região. Um local privilegiado, com boa visibilidade de várias distâncias e ângulos.

Definiu-se que a planta tipo seria composta por três apartamentos. Dois deles com dois quartos e um com três. Os apartamentos de dois quartos não são iguais. Um deles, oposto à esquina, com uma suíte, recebe o sol nascente e aproveita a vista da Serra do Mar. Já o outro, com duas suítes, ocupa a fachada da rua voltada para oeste, onde criou-se brises móveis, que além de manter a privacidade, auxiliam no controle do sol poente.

Os apartamentos com três quartos ocupam a esquina. A sala de estar foi posicionada na quina da torre, seu fechamento todo em vidro faz da vista da cidade o plano de fundo da vida privada. Grandes abas em toda borda dão ritmo horizontal à fachada. Elas também criam um espaço intermediário ao mesmo tempo que proporcionam uma intensa relação entre interior e exterior, preservando a privacidade e o acolhimento dos apartamentos.

Para tornar a proporção do edifício agradável, criou-se uma “soltura” entre os apartamentos, a fim de dividir o volume em dois, como se fossem dois prédios encostados. Isso também facilita o entendimento do edifício para quem o observa, marcando onde acaba e onde começa cada apartamento.

Tudo foi exaustivamente pensado, desenhado, da implantação aos pequenos detalhes de acabamento. Materiais como concreto, pastilha cinza, alumínio, vidro, pedra e madeira, trabalhados em equilíbrio, tornam este projeto uma arquitetura atemporal.

A beleza do edifício está também na maneira como ele chega ao solo, bem como na relação do pavimento térreo com a cidade. Canteiros abundantes, gradil leve, pilares redondos e fechamentos em vidro tornam o espaço mais fluido e o edifício mais leve. Uma maneira delicada de aterrissar naquela esquina. É como se o edifício, com toda elegância, pedisse licença ao entorno em que está se inserindo.